quinta-feira, 30 de abril de 2009

Promessa Cumprida! Diversão Garantida!!

Alunos e professores de Tuneiras do Oeste, Paraná, visitaram o Parque Nacional do Iguaçu, no último dia 18 de abril.
Mais que cumprindo o disposto no Edital do Concurso que escolheu a logomarca da Reserva Biológica das Perobas (veja matéria completa neste Blog), a vencedora, Amábile, conheceu as Cataratas, divertiu-se com os maravilhosos passeios oferecidos, acompanhada de seus colegas e professores. Dez, dos quinze alunos finalistas do Concurso, estavam presentes. Os outros cinco não foram por motivos particulares.
Nossos agradecimentos a Cataratas S.A., ao Macuco Safári e a Helisul, concessionárias do PNI, que garantiram a diversão de todos!
Especial agradecimento ao Chefe do PNI, Jorge Luiz Pegoraro, que viabilizou a visita, garantindo, certamente, esse passeio inesquecível a todos!

sábado, 25 de abril de 2009

Frederico e Schope... algumas frases!

“O que não provoca minha morte faz com que eu fique mais forte”. “Quanto mais nos elevamos, menores parecemos aos olhos daqueles que não sabem voar”. “As convicções são inimigas mais perigosas da verdade do que as mentiras”. “A nossa felicidade depende mais do que temos nas nossas cabeças, do que nos nossos bolsos”. “A vida vai ficando cada vez mais dura perto do topo”. “A música exprime a mais alta filosofia numa linguagem que a razão não compreende”. “Quanto mais elevado é o espírito mais ele sofre”. “Saber é compreendermos as coisas que mais nos convém”. “Por sabedoria entendo a arte de tornar a vida mais agradável e feliz possível”. “Quem não sabe encontrar o caminho para o ‘seu’ ideal vive de um modo mais leviano e insolente que o homem sem ideal”.

A Arte da Felicidade

“Um problema da nossa sociedade atual é
que temos uma atitude diante da educação como se ela
existisse apenas para tornar as pessoas mais inteligentes,
para torná-las mais criativas. Às vezes chega mesmo a
parecer que aqueles que não receberam grande instrução,
aqueles que são menos sofisticados em termos de formação
acadêmica, são mais inocentes e honestos. Muito embora
nossa sociedade não dê ênfase a esse aspecto, a aplicação
mais valiosa do conhecimento e da instrução é a de nos
ajudar a entender a importância da dedicação a atos mais
salutares e da implantação da disciplina na nossa mente.
A utilização correta da nossa inteligência e conhecimento
consiste em provocar mudanças de dentro para fora, para
desenvolver um bom coração.”
(Dalai Lama)

Tempos Modernos

"A coisa mais injusta sobre a vida é a maneira como ela termina. Eu acho que o verdadeiro ciclo da vida está todo de trás pra frente. Nós deveríamos morrer primeiro, nos livrar logo disso. Daí viver num asilo, até ser chutado pra fora de lá por estar muito novo. Ganhar um relógio de ouro e ir trabalhar. Então você trabalha 40 anos até ficar novo o bastante pra poder aproveitar sua aposentadoria. Aí você curte tudo, bebe bastante álcool, faz festas e se prepara para a faculdade. Você vai para colégio, tem várias namoradas, vira criança, não tem nenhuma responsabilidade, se torna um bebezinho de colo, volta pro útero da mãe, passa seus últimos nove meses de vida flutuando. E termina tudo com um ótimo orgasmo! Não seria perfeito?"
(Charles Chaplin)

Mais ou menos

"A gente pode morar numa casa mais ou menos, numa rua mais ou menos, numa cidade mais ou menos, e até ter um governo mais ou menos. A gente pode dormir numa cama mais ou menos, comer um feijão mais ou menos, ter um transporte mais ou menos, e até ser obrigado a acreditar mais ou menos no futuro. A gente pode olhar em volta e sentir que tudo está mais ou menos... Tudo bem! O que a gente não pode mesmo, nunca, de jeito nenhum... é amar mais ou menos, sonhar mais ou menos, ser amigo mais ou menos, namorar mais ou menos, ter fé mais ou menos, e acreditar mais ou menos. Se não a gente corre o risco de se tornar uma pessoa mais ou menos".
(Chico Xavier)

Resolução 408

Uma decisão da 2a. Vara da Justiça Federal da Subseção de UmuaramaPR, em deferimento ao pedido constante da Ação Civil Pública Nº 2009.70.04.000528-2/PR, movida pelo Ministério Público Federal no Estado do Paraná, obrigou o Presidente do CONAMA a publicar a Resolução nº 408/09, que inclui a queima controlada de palha de cana-de-acúcar como atividade poluidora sujeita a prévio Estudo de Impacto Ambiental. Pela primeira vez na história do CONAMA uma resolução é publicada por decisão liminar da justiça, sem ter sido debatida e legitimada democraticamente por este conselho.
Entretanto, atacando Mandado de Segurança Nº 2009.04.00.010675-9/PR, Desembargador do Tribunal Regional Federal - 4a. Região suspendeu os efeitos da antecipação de tutela deferida em primeiro grau.
Pergunta: e a Resolução 408/09, como fica??!
Não vou dizer que "já passou da hora", porque sempre acreditei que sempre é hora!
Portanto, a meu juízo, a hora é agora! Hora de debater e legitimar democraticamente o uso desta prática, estabelecer regras, condições e zoneamento para o plantio da cana-de-açucar e queima (ou não!) controlada de sua palha. Especialmente em áreas de especial proteção, como as Zonas de Amortecimento de Unidades de Conservação.
"Quem sabe faz a hora, não espera acontecer"....

Prêmio Expressão Ecologia aponta Iguaçu como modelo de gestão de parques

(Do Blog do Jorge Pegoraro)
As unidades do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade se notabilizam por proteger áreas significativas do cada vez mais frágil ambiente natural brasileiro. Uma dessas unidades é o Parque Nacional do Iguaçu, no Paraná, considerado por especialistas do júri do Prêmio Expressão de Ecologia como detentor de uma das melhores tecnologias de gestão de parque do país. Segundo o júri, os servidores do parque agem de forma exemplar na gestão da unidade com mais de 185 mil hectares de mata atlântica protegidos, o maior remanescente do Sul do país, e que completou 70 anos em janeiro de 2009. Segundo o chefe do parque, Jorge Luiz Pegoraro, a unidade promove várias ações socioambientais – que vão da educação ambiental a projetos de turismo ecológico e rural desenvolvidos para proveito das comunidades de 14 municípios no entorno. Ainda segundo ele, o parque dá ênfase especial às ações de proteção à fauna. O projeto Carnívoros do Iguaçu, por exemplo, busca salvar da extinção a última população viável de onças-pintadas do Sul do País. Outras ações são o monitoramento do veado-bororó, do jacaré-do-papo-amarelo e do quati. Os trabalhos, informa Pegoraro, são feitos em parceria com instituições de ensino, governos, empresas e ONGs. “Estudos indicam que existem no local mais de 235 espécies de aves e 50 espécies de mamíferos, além de uma rica diversidade de espécies vegetais, dentre elas o ipê-roxo, o pinheiro-do-paraná e o palmito juçara”, diz ele. Já o projeto que venceu o Prêmio Expressão de Ecologia 2008 resolve problemas em outra frente, a de revitalização da área de uso público do parque. “Ela corresponde a 3% da área total, é a que mais sofre impactos devido à visitação (1 milhão de turistas por ano) e é nela que se encontram as Cataratas do Iguaçu”, explica o chefe. O parque mantém o Programa aquaIGUAÇU, implantado em 2005 com a atribuição de monitoramento das Estações de Tratamento de Efluentes (ETEs) em sua Área de Uso Público. São realizadas análises físico-químicas e microbiológicas dos efluentes finais e dos corpos receptores das ETEs. “Através dessas análises, é possível monitorar a qualidade dos cursos d’água nos pontos de visitação do parque e evitar problemas ao meio ambiente e à saúde coletiva. Seis empresas têm concessão para prestar serviços na área, incluindo praças de alimentação, lojas e passeios de barco e de helicóptero. As empresas tratam seus efluentes por meio das estações de tratamento do parque”, diz o chefe do parque.

Desabafo

(Do Blog Paraná, Brasil!)
é mais triste....
...quando o CAOS que se tornou Maringá atinge um amigo. Mas é da maneira humana de se pensar e atentar-se para a destruição de uma cidade quando a desgraça nos atinge. Por favor, VEJA, GLOBO e demais: estampem em suas páginas e façam documentários para que não venham pra Maringá - antiga "cidade mais segura do Brasil". Temos muitos problemas nos preocupando com nossos próprios criminosos. "quem vê pouco, vê sempre muito pouco; quem ouve mal ouve sempre algo a mais".... meu amigo Frederico.
ainda mais triste...
...ver os rostos dos maringaenses, atônitos, sem reação. Não estamos acostumados com mortes sem sentido, nossa guerra sempre foi outra.
Mas, o velho Frederico já dizia que "observou-se mal a vida, se ainda não se descobriu a mão que mata com luvas de veludo"...
E, como não podia deixar de ser, o agradecimento e parabéns à Polícia Civil do Paraná pelo ótimo trabalho que vem desempenhando, especialmente em relação às mortes violentas ocorridas em Maringá nos últimos anos. A força policial vem agindo com muito profissionalismo, solucionando os casos, apontando e encaminhando ao Judiciário os autores dos crimes e dando uma efetiva prestação de Justiça aos cidadãos maringaenses. Infelizmente, crimes advindos de relações interpessoais são de difícil prevenção, talvez durarão para sempre. Entretanto, a PC paranaense, especialmente a de Maringá, é uma grande instituição e merece todo o apoio e confiança dos maringaenses, que devem ver em seus investigadores, delegados, escrivães, etc. uma ilha de honradez e segurança num mundo que nunca foi fácil e seguro de se viver.
Uma frase que vai ficar registrada na página pessoal de mais uma vítima maringaense:
"Pagai o bem e o mal com a justiça" Confúcio, ou melhor, Du.

Lei regulamenta o descarte de pilhas e baterias

(Do Blog do Marino)
Um projeto de lei aprovado nesta semana na Assembleia Legislativa do Paraná - que agora segue para a sanção do governador Roberto Requião - proíbe o "descarte de pilhas, lâmpadas fluorescentes, baterias de telefone celular e demais artefatos que contenham mercúrio metálico em lixo doméstico ou comercial". O Projeto de Lei 206/88 é de autoria do deputado estadual Edgar Bueno, atual prefeito de Cascavel. O texto determina que as empresas que vendem esses produtos devem oferecer serviço de recolhimento. Já os fabricantes e os representantes comerciais precisam adotar os mecanismos para reciclagem ou destinação final dos produtos descartados, sem danos ao meio ambiente. Quem não cumprir a lei no Paraná será multado em R$ 532,05, valor que será dobrado em caso de reincidência. O projeto não estipula como será feita a fiscalização do cumprimento das medidas.

Minc muda Carta de Siracusa e inclui pagamento pelo acesso à Biodiversidade

Brasília (23/04/2009) – Uma intervenção inesperada do ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, na sessão da manhã desta quinta-feira (23/4) para aprovar texto sobre a proteção à biodiversdade planetária, no Encontro Ministerial de Meio Ambiente de Siracusa, na Itália, angariou apoios de alguns países e serviu para uma virada de mesa, com a inclusão no documento de referência a um tema estratégico para o Brasil: a garantia de acesso e repartição dos benefícios pelo uso da biodiversidade. A referência a essa questão foi fundamental para países como o Brasil que possuem uma rica biodiveresidade, pois reforça a luta internacional contra a biopirataria e pela garantia de obtenção de recursos financeiros para o sustento de comunidades locais, como os índios, e para a preservação de vários ecossistemas, como a Floresta Amazônica. Na quarta-feira (16), em reunião técnica para fechar o texto a ser assinado pelos ministros de meio ambiente que participam da reunião de Siracusa - uma histórica cidade da Sicília -, delegados de países industrializados, como os Estados Unidos, reuniram forças para cortar do texto da chamada Carta de Siracusa referência ao tema. Mas no dia seguinte, diante do protesto de Minc, o plenário de ministros decidiu acatar a posição brasileira. Participam do encontro de Siracusa, promovido pelo governo italiano até esta sexta-feira (24), ministros de meio ambiente do G-8 (os sete países mais ricos do mundo e a Rússia) e das nações em desenvolvimento com economias mais fortes, como África do Sul, Brasil, China, Índia e México. Durante a reunião, que debate temas relacionados às mudanças climáticas e à biodiversidade, o ministro brasileiro tem tido uma posição de destaque, com várias intervenções no plenário. Nesta quinta-feira, Minc conseguiu mudar uma decisão que já havia sido acertada, em detrimento dos interesses brasileiros e de outros países com rica biodiversidade. "Todos reconheceram que foi uma vitória do Brasil e da biodiversidade para que não se adiasse a entrada em vigor do ABS (sigla em inglês para Acesso e Repartição dos Benefícios pelo Uso da Biodiversidade), que é estratégico para o nosso país", disse Minc. Após sua intervenção, ele recebeu o apoio da África do Sul, Alemanha, Canadá, Índia e México, e o texto da Carta de Siracusa acabou modificado. A Carta de Siracusa é um documento - sem caráter mandatório, mas com importância política - que faz referências a várias questões sobre biodiversidade, como sua relação com o desenvolvimento econômico, com a pesquisa científica e com as mudanças climáticas. Numa reunião técnica na quarta-feira, delegados brasileiros já haviam conseguido incluir temas importantes para o país na Carta de Siracusa, como o combate ao tráfico de animais silvestres e o apoio à criação de corredores florestais, itens fundamentais para se reforçar o combate à destruição da biodiversidade. Mas foi cortada a referência sobre o ABS. Após a intervenção do ministro do Meio Ambiente do Brasil, o texto passou a incluir a menção de que os países signatários do Convenção sobre Biodiversidade devem concluir até outubro de 2010 o processo negociador em curso, para a elaboração do texto básico do ABS. O reforço político para o estabelecimento de uma data para a finalização da negociação desse texto básico é importante porque, em outubro do ano que vem, será realizada no Japão a COP-10, encontro dos países signatários da Convenção sobre a Biodiversidade. Este fórum internacional tem o poder legal de aprovar o texto do ABS, para que depois ele possa entrar em vigor, com efeitos financeiros imediatos. Desde a COP-8, promovida em Curitiba (PR) em 2006, passando pela COP-9, realizada em Bonn (Alemanha) em 2008, ficou decidido pelos países signatários da Convenção sobre Biodiversidade de que deveria ser aprovado um regime legal internacional sobre o acesso e a repartição dos benefícios originados do uso da biodiversidade. No entanto, os governos de alguns países industrializados - onde se encontram as sedes de poderosos laboratórios farmacêuticos que pesquisam (sem o pagamento pelo seu acesso) os princípios ativos de produtos naturais, como plantas medicinais, para a produção de medicamentos - pressionam para a não entrada em vigor desse regime legal. Os Estados Unidos, que até o momento não são signatários da Convenção sobre a Biodiversidade, estão entre os países mais resistentes à entrada em vigor do ABS. Assim, mesmo com a decisão tomada na COP-8 e reiterada na COP-9, não se chegou ainda a um acordo sobre a data para o término das negociações sobre o texto básico do ABS. E após a intervenção do ministro do Meio Ambiente do Brasil, a Carta de Siracusa afirma que o processo de negociação deve ser concluído até a COP-10, para que possa entrar em vigor de forma vinculante. "O Brasil mudou a Carta de Siracusa, foi uma vitória importante. Alguns países ricos resistem à aprovação do ABS para não terem que pagar pelo acesso controlado dos recursos da biodiversidade, já que hoje têm acesso gratuito a esses recursos", disse Minc.

terça-feira, 21 de abril de 2009

Homenagem a Robertinho do Acordeon

video

José Carlos Ferraresi, o Robertinho do Acordeon, em 1953, foi convidado a substituir Albertinho (Alberto Calçada) no trio formado com Sertãozinho e Nhá Neide, passando a adotar o nome artístico de Robertinho. O trio Sertãozinho, Nhá Neide e Robertinho apresentou shows em São Paulo e no interior paulista, em circos e nos poucos cinemas existentes. Em 1955, o trio se desfez. Em seguida trabalhou com o humorista Nhô Belarmino, conhecendo a vida circense, nas tarefas de bilheteiro, secretário, cavador de buracos para armação do circo, locutor e autor de peças circenses. Em 1957, começou a trabalhar com Mazzaropi, com quem passou a se apresentar em todo o Brasil e com quem adquiriu conhecimentos do trabalho de palco, cinema e televisão. Em novembro de 1970 retornou a São Paulo e começou a trabalhar com o cantor Waldick Soriano, acompanhando-o como acordeonista, organista e secretário. Gravou seu primeiro LP como solista de órgão, "Roberto e seu órgão interpreta Waldick Soriano", aproveitando playbacks das músicas de Waldick Soriano que foram cobertas pelo órgão. Nesse período conheceu a filha do ator de cinema e empresário circense Paulo Bonelli, Paulete, com quem se casou. Nesse período apresentou-se acompanhando Inezita Barroso em seu programa "Viola minha viola", na TV Cultura. Com a ida de Waldick Soriano para o Rio de Janeiro, Robertinho resolveu permanecer em São Paulo, ficando algum tempo trabalhando com cantores e duplas. A convite de Geraldo Meirelles participou com um regional no programa "Canta viola", na TV Record. Formou um regional com Niquinho, no trombone, Pedrinho, no cavaquinho, Miro, ritmista, e Josué, na viola de sete cordas. Foi o primeiro conjunto regional sertanejo na televisão brasileira e durou quatro anos. Nesse período começou a apresentar-se como organista na adega Lisboa Antiga, tornando-se sócio da casa. Exercendo a função de diretor artístico, levou para apresentarem-se na casa diversos artistas, como Altemar Dutra, Nélson Gonçalves, Carlos José, Carlos Galhardo, Rinaldo Calheiros, Leila Silva e outros. Algum tempo depois deixou a adega para voltar a dedicar-se exclusivamente ao trabalho de instrumentista. Passou a apresentar-se no salão de festas Paganini em São Paulo. Em estúdio de gravação tocou acordeon, orgão, vibrafone, marimba, gaita de boca, violão, contrabaixo, fez coral e arregimentação, ritmo e pequenos arranjos, além da produção de discos. Em 1973, tornou-se produtor de discos. Trabalhou com Zacarias Mourão na gravadora CID no início dos anos 1980. Nesse período, lançou o LP "Calendário de valsas", pela CID, no Rio de Janeiro, produzido por Zacarias Mourão. Gravou também com José Fortuna e Pitangueira o último LP da dupla, "Paineira velha". Gravou com vários sertanejos entre eles, a duplas Silveira e Barrinha, Silveira e Silveirinha, Tonico e Tinoco, Leo Canhoto e Robertinho, Cascatinha e Inhana, Pedro Bento e Zé da Estrada, Zé Tapera e Teodoro, Zé do Rancho e Zé do Pinho, além de Teixeirinha, Sérgio Reis, Marcelo Costa, Irmãs Galvão, e outros. Gravou também com a cantora Ângela Maria. Atuou de forma efetiva com conjunto regional em vários programas de rádio e TV, inclusive o "Festa na roça", comandado por Tonico e Tinoco ao longo de 40 anos, como instrumentista. Desenvolveu inúmeras atividades no campo da música, afirmando-se como requisitado músico. Com mais de 25 discos gravados, incontáveis shows solo, e acompanhando inúmeros artistas pelo país, em 2005, já consagrado como instrumentista oficial do programa semanal "Viola, minha viola", de Inezita Barroso, onde, além de apresentar números com seu regional, acompanhava os artistas que visitam o programa, além da própria Inezita, que o chamava carinhosamente de 'compadre', integrou o elenco das comemorações dos 25 anos do programa, juntamente com seu regional. Faleceu no Hospital Albert Sabin em São Paulo, vítima de câncer no pulmão poucos dias antes de completar 67 anos de idade, a maior parte deles dedicados à música sertaneja da qual foi um dos principais acordeonistas.

Discografia

• Roberto e seu órgão interpreta Waldick Soriano (1970) LP • Uma rosa para você (1972) Anhembi LP • Baile no sítio (1974) Chororó LP • Calendário de Tanges (1974) CBS LP • Calendário de valsas (1975) CID LP • As eternas canções do Roberto (1976) GW LP • Rincon Guarany (1977) Colonial LP • Brasileiríssimos choros (1978) Crazy LP • Tangos e boleros (1979) GW LP • Tangos e valsas (1980) RS LP • Valsas favoritas (1981) Cartaz LP • Robertinho do Acordeon e seu conjunto (1981) GW LP • Festa junina (1982) Chororó LP • Arrasta-pé fantástico (1982) CID LP • Sucessos de sempre (1983) Fermata LP • Bailão sertanejo (1984) PolyGram LP • As mais lindas valsas brasileiras (1985) CID LP • Robertinho do Acordeon (1986) Líder LP • Chorinhos famosos (1987) CID LP • Robertinho do Acordeon (1988) Tocantins LP • Robertinho do Acordeon (1990) Tocantins LP • Robertinho do Acordeon ao vivo (1992) Atenas LP • Robertinho do Acordeon apresenta os campeões da sanfona e do acordeom (1996) MoviePlay CD • Jóias sertanejas (1997) Brasidisc CD • Boleros famosos (1998) Itaipu CD • Robertinho do Acordeon apresenta os melhores sanfoneiros do Brasil (1999) Alegreto CD • O melhor da festa junina (2000) Alegreto CD • Canta Brasil (2000) Alegreto CD

(Fontes: http://www.dicionariompb.com.br/detalhe.asp?nome=Robertinho+do+Acordeom&tabela=T_FORM_A&qdetalhe=art e http://www.musicapopular.org/robertinho-do-acordeom/)

Que venha Chuva!

Nosso Estado está precisando de chuva! Todas as nossas regiões estão sentindo a falta de chuva! Isto me faz lembrar a música "Pingo d'água", que o grande João Pacífico, junto com Raul Torres, compôs. Na interpretação a seguir, João Pacífico está acompanhado pelos não menores Adauto Santos e Robertinho do Acordeon. A respeito de Robertinho do Acordeon, falecido em janeiro de 2006, quero registrar que ele era meu primo-irmão. Primo-irmão mesmo! Seu pai era irmão de minha mãe, sua mãe irmã de meu pai.... Saudades! Que venha a chuva! Para amenizar o calor... amenizar ansiedades... renovar esperanças dos produtores rurais... amenizar nossas preocupações... renovar nossos anseios!

Visitação em alta no PNI

Prova Rústica Tiradentes - Maringá, Pr.

MMA começa a monitorar desmatamento em todos os biomas do País

A partir de agora o Brasil saberá o que acontece com o que resta da vegetação nativa em todo o seu território. O monitoramento por satélite da cobertura florestal, que era restrito, em nível oficial, à Amazônia, foi estendido à Caatinga, ao Cerrado, à Mata Atlântica, ao Pampa e ao Pantanal. Uma solenidade presidida hoje (16/04) pelo ministro Carlos Minc no Centro Nacional de Apoio ao Manejo Florestal-Cenaflor, marcou o início da execução técnica do projeto, que acompanhará e divulgará anualmente os índices de desmatamento de todos os biomas. Além de orientar políticas públicas e tomadas de decisão para combate ao desmatamento e para conservação da biodiversidade, essas informações permitirão calcular o volume de gases de efeito estufa decorrentes do desmatamento e alteração do uso do solo no País e produzir o relatório periódico de emissões previsto na Convenção Sobre Clima da ONU. "Ter monitoramento e ter série são pré-requisitos para estabelecermos metas de emissão. A Caatinga, o Cerrado, o Pantanal, o Pampa e a Mata Atlântica exigem o mesmo cuidado que a Amazônia", afirmou o Ministro. Acompanhado pelo pelo diretor de Conservação de Biodiversidade, Bráulio Dias, que representou a secretária de Biodiversidade e Floresta, Maria Cecília Wey de Brito, o chefe do Centro de Sensoriamento Remoto do Ibama, Humberto Mesquita Jr, e o diretor de Proteção Ambiental do Ibama, Flávio Montiel da Rocha, Minc visitou o Centro de Monitoramento, onde técnicos já monitoram as imagens do bioma Cerrado captadas por satélite. O ponto de partida do monitoramento são os mapas de áreas florestais remanescentes nos biomas extra-amazônicos produzidos pelo Probio (Projeto de Utilização e Conservação da Diversidade Biológica Brasileira) com base em imagens captadas pelo satélite Landsat em 2002. Eles mostram que a Mata Atlântica é o bioma com a vegetação nativa mais devastada. Da área total de 1.059.027,85 Km2 restavam, há seis anos, apenas 285.640 km2 (27%) com a cobertura vegetal nativa em diferentes graus de conservação. O segundo bioma mais antropizado é o Pampa, que perdeu quase a metade da cobertura original da sua área de 178.243 km2. O Cerrado havia perdido, até 2002, 39% de cobertura original e a Caatinga 36%. O bioma nordestino é, atualmente, um dos mais pressionados especialmente pelo uso da lenha e do carvão, que respondem por cerca de 40% da energia consumida na região. O Pantanal é o bioma extra-amazônico mais preservado, com 87% de sua cobertura nativa intacta. O Programa de Monitoramento é de responsabilidade da Secretaria de Biodiversidade e Floresta do MMA, com financiamento do Pnuma e da Agência Brasileira de Cooperação e execução técnica do Centro de Monitoramento Ambiental do Ibama. As áreas de vegetação remanescente já começaram a ser monitoradas com o Landsat e o satélite sino-brasileiro Cbers. Na Mata Atlântica, mais susceptível à cobertura de nuvens, será utilizado também o satélite japonês Alos, que capta imagens mais precisas. Os primeiros resultados do monitoramento serão sobre o desmatamento do Cerrado no período 2002/2008 e deverão estar disponíveis em setembro. O segundo produto previsto é o monitoramento do desmatamento da Caatinga, que deve ser divulgado em novembro. Até março de 2010 estarão prontos os mapas das alterações antrópicas no período 2002/2010 nas áreas remanescentes dos demais biomas. (Fonte: Lúcia Leão - Ascom/MMA)

Campanha sobre a água

A Agência Nacional de Águas (ANA) e o Ministério do Meio Ambiente lançaram campanha de utilidade pública sobre a importância da água na vida das pessoas e os cuidados com este recurso natural. Conheça o vídeo da campanha.
video

domingo, 19 de abril de 2009

Visão da Rebio

(Do sítio http://www.avesderapinabrasil.com)
"A Reserva Biológica das Perobas, abriga uma das maiores biodiversidades do estado do Paraná. Está situada nos municipios de Tuneiras do Oeste e Cianorte, no noroeste do estado. Essa floresta possui aproximadamente 10 mil hectares, sendo boa parte no territorio de Tuneiras do Oeste. O remanescente possui vegetação em transição de Floresta Estacional Semidecidual e a Floresta Ombrófila Mista, com predominância de perobas e araucárias, espécies ameaçada de extinção. Esse remanescente é sem dúvida o mais importante do noroeste paranaense. Por se tratar de um fragmento isolado e de grande extensão, é o único refúgio de fauna da região com grande diversidade de espécies animais e vegetais. Apresenta uma grande variedade de aves, como Tucanos e Pica-paus. Dentre os mamiferos, já foram registrados: iraras (Eira barbara), quatis (Nasua nasua), tatu-galinha (Dasypus novemcinctus), macaco-prego (Cebus apella), cachorro-do-mato (Cerdocyon thous) além de espécies de grande porte como o veado-catingueiro, porco-do-mato e Anta. De acordo com o Biólogo do Ministério do Meio ambiente, Mauricio Savi, é possivel encontrar em um pequeno espaço rastros de porcos-do-mato, veados, antas e inclusive felinos como a onça-parda (Puma concolor).
A criação dessa reserva foi de uma proposta do governo federal para proteger os ecossistemas naturais ameaçados existentes no Paraná e em Santa Catarina. Atualmente conta uma sede no Municipio de Cianorte e outra em Tuneiras do Oeste, sob os cuidados do chefe da unidade Carlos Alberto F. De Giovanni. Por ser uma Reserva Biológica, ela é protegida integralmente, sendo permitida a visitação apenas para educação ambiental e pesquisas científicas com autorização do ICMBio.
Na parte sul da Reserva, passa a rodovia federal (BR 487), a chamada estrada boiadeira, que margeia a floresta por aproximadamente 8,5 km. A Reserva Biologica das Perobas felizmente não sofre com desmatamento, mas atividades de caça ainda persistem, sendo essa a principal ameaça da Reserva. Trilhas clandestinas, armadilhas e outros rastros de caçadores são encontrados. Para combater isso, a Rebio das Perobas implantou a "Operação biXo", projeto de combate a caça, desde a educação ambiental com os moradores e comunidades até repressão aos caçadores ilegais. Por ser um projeto amplo e continuado, os trabalhos contam com apoio, cooperação e ações conjuntas do ICMBio, IBAMA, Polícia Ambiental e Rodoviária, IAP, Poder Judiciário, Polícia Federal, Exército e outras organizações da sociedade civil.
A Reserva Biologica das Perobas, representa uma grande possibilidade de desenvolvimento educacional in-situ e ex-situ, auxiliando no crescimento da conscientização ambiental na comunidade e participando de atividades do Ecoturismo regional. Sendo um raro remanescente florestal, propiciará o desenvolvimento de pesquisas sobre a flora e fauna da região, bem como, projetos sócio-ambientais. Até o momento estão sendo realizadas duas pesquisas na Rebio das perobas: uma com morcegos pelo professor dr. Henrique Ortêncio Filho da Unipar, e outra com mamiferos de médio e grande porte pelo biólogo Vagner Carlos Canuto. Se tratando de aves de rapina, analisando as dimensões desse remanescente e seu ótimo estado de preservação, é provavel que ocorra aves de rapina raras como por exemplo o gavião-de-penacho (Spizaetus ornatus) ou gavião-pato (Spizaetus melanoleucus) ambos na atual lista vermelha de espécies ameaçadas do Paraná. Em minha visita nas áreas de contorno da reserva, ainda não visualizei tais espécies, mas uma floresta desse porte apresenta presas potenciais e habitat para abrigar esses gaviões e muitos outros animais".
(Texto: William Menq)

Sisbio no Prêmio Inovação

Brasília (16/04/09) – Em cerimônia promovida na tarde desta quinta-feira (16) no auditório do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, o Sistema de Autorização e Informação em Biodiversidade (Sisbio) recebeu o 10º lugar no 13º Concurso Inovação na Gestão Pública Federal, promovido anualmente pela Escola Nacional de Administração Pública (Enap). A cerimônia premiou as 10 iniciativas melhor classificadas dentre as 167 inscritas na 13ª edição do concurso que busca, anualmente, incentivar a criação e disseminação de novos conhecimentos e de novas práticas em gestão pública, por meio do reconhecimento, divulgação e premiação de iniciativas inovadoras. O presidente do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Rômulo Mello, apresentou o Sisbio durante a cerimônia de premiação e destacou com o sistema foi vital para a solução de problemas crônicos no atendimento a pesquisadores e na gestão da informação sobre a biodiversidade nas unidades de conservação. “Essa biodiversidade precisa ser conhecida, até para que se faça o uso sustentável e equilibrado desses recursos. Costumo dizer que as unidades de conservação são verdadeiros laboratórios a céu aberto, prontos para serem explorados”, afirma Mello. O presidente valorizou, com entusiasmo, a prata da casa: “Um dos grandes méritos do Sisbio foi o seu baixo custo de produção já que todas as etapas do desenvolvimento e implementação foram conduzidas por analistas ambientais e analistas de sistema do próprio instituto”. Os pontos de destaque que fizeram o sistema chegar ao rol dos finalistas são, entre outros, a celeridade no atendimento ao pesquisador e na concessão das autorizações — cujo processo é todo feito via Internet —, a padronização de procedimentos, transparência, a institucionalização das análises e a integração com a Plataforma Lattes do CNPq. “O Sisbio transformou um processo burocrático e lento em um rápido fluxo de análise via Internet, reduzindo o tempo de espera dos pesquisadores e melhorando a qualidade das análises e das informações retornadas na forma de relatórios”, explica Ugo Vercillo, Coordenador Geral de Pesquisa do ICMBio. “São os operadores do Sisbio que fazem ele funcionar. Graças à dedicação desses técnicos é que o Sisbio é hoje reconhecido como uma iniciativa inovadora na gestão pública, e isso é mais um incentivo para que continuemos este trabalho”, afirma Vercillo. Pesquisa de satisfação promovida em 2008 revelou que 93% dos pesquisadores usuários aprovam o sistema. Em dois anos de operação, o Sisbio concedeu 3 mil autorizações, 80% delas para a realização de pesquisa em unidades de conservação, e 650 licenças permanentes para coleta de material biológico para fins científicos. Onze mil pesquisadores estão cadastrados no sistema, que conta com 700 operadores distribuídos pelas 300 unidades de conservação federais e 11 centros de pesquisa em conservação vinculados ao ICMBio. Os próximos passos para tornar o Sisbio mais ágil prevêem a hospedagem do sistema em um servidor mais robusto — o que reduzirá o tempo de processamento de dados, possibilitando maior rapidez no acesso por parte dos pesquisadores —, e a implementação de novos módulos, tais como: correio eletrônico, que registrará a comunicação via sistema com o pesquisador, o módulo de relatórios, que possibilitará a geração de mapas de distribuição das espécies, e o módulo de relatórios gerenciais, que permitirá extrair e disponibilizar relatórios, em tempo real, sobre as pesquisas realizadas nas unidades de conservação federais. O Comitê de Assessoramento Técnico (CAT Sisbio) deverá, em breve, retomar os seus trabalhos a fim de avaliar e aperfeiçoar a instrução normativa que trata da coleta de material biológico para fins científicos e da realização de pesquisas em unidades de conservação. Todas as iniciativas vencedoras receberão o Selo Inovação que poderá ser utilizado em campanhas de divulgação ou em material impresso ligado às iniciativas vencedoras. A relação das iniciativas premiadas está disponível no endereço (http://www.enap.gov.br/) e estão disponíveis no Banco de Soluções (http://inovacao.enap.gov.br/).
(Fonte: Sandra Tavares - Ascom/ICMBio)

Rodovia no Parque Nacional do Iguaçu será de concreto

(Do Blog do Pegoraro)
(Da esquerda, Giublin, Pegoraro, Robson e Vicente)
Os últimos 12 quilômetros da BR 469 – no interior do Parque Nacional do Iguaçu, serão recuperados utilizando o white topping, a técnica que consiste na aplicação de uma camada de concreto sobre o asfalto antigo. A rodovia dá acesso às Cataratas do Iguaçu, seus atrativos e estruturas de serviços e por onde passa anualmente cerca de um milhão de visitantes. A decisão foi acordada entre o DNIT (Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transporte), o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodibversidade – ICMBio e a ABCP (Associação Brasileira de Cimentos Portland) em uma reunião realizada na terça-feira, 14, na sede do parque. Na reunião o chefe do DNIT de Foz do Iguaçu, Vicente Veríssimo, informou que o projeto de recuperação dos 12 quilômetros, realizado pela empresa Engemin de Curitiba, já está na fase final. Os técnicos da empresa concluem em poucos dias os estudos da situação da rodovia. Logo após a conclusão dos estudos, confirma Veríssimo, será lançado o edital da obra com recursos provenientes do PAC (Programa de Acelereção do Crescimento). Ele calcula que o início da pavimentação seja no início de 2010 e a conclusão em sete meses. Para o presidente do Escritório Regional Sul da ABCP, Carlos Roberto Giublin, a técnica de execução do white topping é exatamente igual a de qualquer pavimento de concreto, sem a necessidade de retirar todo o pavimento existente, trazendo alguns benefícios como a durabilidade de 20 anos da obra. Apelo ecológico - De acordo com o chefe da unidade, Jorge Pegoraro, a escolha da pavimentação considera que a técnica é a mais adequada em razão do concreto, em dias quentes, não esquentar como o asfalto evitando assim que animais não corram o risco de atropelamento ao tentarem se esquentar na pista de asfaltos nos dias frios. O mesmo tipo de pavimentação já foi utilizado no Parque Nacional de Aparados da Serra em um trecho de 10 quilômetros da SC-450 que corta a unidade. “A medida também obedece a uma portaria interministerial do Ministério do Meio Ambiente onde a pavimentação em áreas protegidas deve priorizar materiais menos poluentes e menos agressivos à natureza”, disse.

sábado, 11 de abril de 2009

Operação biXo - Balanço Geral

video

Operação biXo - Radar da Notícia

video

Belezas do Parque Nacional do Iguaçu

quinta-feira, 9 de abril de 2009

Projeto Carnívoros

12a. Feira de Imóveis - Maringá

video

domingo, 5 de abril de 2009

Quando a Rebio fez um ano...

video

Boletins na Net

Os boletins informativos da Reserva Biológica (Rebio) das Perobas e do Programa aquaIGUAÇU, do Parque Nacional do Iguaçu (PNI) já estão, todos, disponíveis na "world wide web" (internet).
Criado em agosto de 2007, o Boletim da Rebio das Perobas é um informativo eletrônico mensal que propõe a divulgação das ações desenvolvidas pela Rebio, pela sua Equipe, bem como ações e trabalhos desenvolvidos pela comunidade de seu entorno e, principalmente, de seu Gestor, o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade – ICMBio. Os interessados em recebe-lo via e-mail podem encaminhar solicitação ao endereço rebioperobas@gmail.com.
Criado em setembro de 2007, o Boletim aquaIGUAÇU é um informativo eletrônico mensal, que propõe a divulgação das ações desenvolvidas pelo Programa aquaIGUAÇU, do PNI, retratando, também, ações e trabalhos desenvolvidos pela Área de Conservação e Manejo e da Escola Parque, bem como da Unidade como um todo, sempre que possível. Os interessados em recebe-lo via e-mail podem encaminhar solicitação ao endereço aquaiguacu@gmail.com.
Willian Menq, estudante de biologia em Maringá, disponibilizou espaço em seu sítio (http://www.avesderapinabrasil.com/) para hospedar todos os boletins; a quem agradeço imensamente! Para ter acesso aos boletins, clique em "Boletim da Rebio das Perobas" e "Boletim do aquaIGUAÇU" na seção "Recomendo" deste Blog. Boa leitura a todos!

sábado, 4 de abril de 2009

Operação biXo na "ponta" do Noroeste do Estado

Maringá é um 'divisor'! Em todos aspectos, Maringá é divisor... de desenvolvimento, de opiniões, de região! Uns afirmam que Maringá é norte paranaense, outros, noroeste!
O que nos é importante é que Maringá é parte integrante, e pujante, de nossa região, a região da Rebio das Perobas.
Assim, servidores do ICMBio, Polícias Militares Rodoviária e Ambiental, e do IBAMA, desenvolveram a programação preestabelecida da primeira etapa da Operação biXo no Posto Rodoviário de Marialva.
Neste trabalho, foram entregues panfletos, informando os motoristas da necessidade do combate a caça, ao tráfico de animais silvestres e a extração ilegal de palmito-jussara, convidando a Comunidade a ajudar, denunciando através das linhas 0800 do IBAMA (0800-61-8080) e da Força Verde (0800-643-0304). Também foram fiscalizados vários veículos, caminhões com madeiras e cumpridos as Normas relacionadas à pesca.

Operação biXo em ação

A Operação biXo vai a Marabá, distrito do município de Tuneiras do Oeste!
Cumprindo a programação definida para sua primeira etapa, servidores do ICMBio, Polícia Militar Ambiental e IBAMA, fiscalizaram veículos, distribuíram panfletos junto à comunidade do distrito e trabalharam Educação Ambiental junto à educandos, informando-os e orientando-os sobre os problemas e consequências da caça e do tráfico de animais silvestres.
Após, os servidores monitoraram e fiscalizaram vários pontos da Rebio das Perobas, na busca de possíveis armadilhas e caçadores.

Expedição Floriano

Este Floriano é, simplesmente, fantástico! Nosso "modelo", o rio que todos sonhamos! Precisamos, mesmo, protege-lo, divulga-lo, preserva-lo e estuda-lo ainda mais, em todos os níveis!

Ibama-GO participa de solenidade no Senado

Na última quinta-feira (26-03), em Brasília, o Superintendente do Ibama em Goiás, Ary Soares dos Santos, participou da assinatura do Termo de Cooperação assinado pela Associação dos Produtores de Santa Cruz do Xingu-MT, para a aplicação e gestão de recursos relacionados ao “Projeto Xingu Mata Viva”, em solenidade realizada na 2ª Vice-presidência do Senado, organizada pela senadora Serys Slhessarenko (PT-MT) e pelo Instituto de Desenvolvimento Econômico e Socioambiental (Idesa), entidade responsável pela captação de recursos.
O objetivo deste projeto é o desenvolvimento com sustentabilidade, por intermédio da comercialização dos estoques de carbono pelo desmatamento evitado nas áreas que o integram. Para a senadora Serys, o modelo desenvolvido a partir do modelo Brasil Mata Viva, referente ao pagamento por serviços ambientais, incentiva os produtores na utilização de boas práticas de exploração da terra.
Além deste, outros três projetos estão em desenvolvimento: Araguaia Mata Viva (GO), Rio Preto Mata Viva (BA) e São Lourenço Mata Viva (MT).
A solenidade contou, além das presenças da senadora e do superintendente do Ibama-GO, com a sócia-diretora do Cimasp, Michele Thó; dos sócios-diretores da empresa Cifarma - Sônia Braga e Marinho Braga (doadores dos recursos); do Superintendente do Ibama-MT, Pedro Alberto Bignelli; do vice-presidente do Idesa, Sérgio Brandão e de toda a equipe do Projeto Xingu Mata Viva e da Aprovale.
Segundo Ary Soares esta iniciativa representa uma alternativa, mesmo que pequena diante da realidade brasileira, uma prova concreta de que é sim possível aliar a obrigatoriedade do cumprimento das leis ambientais com a oportunidade de remuneração que os serviços ambientais podem propiciar.
Nesse sentido, o Ibama-GO e o Idesa farão parceria para o desenvolvimento do Projeto Araguaia Mata Viva, que propiciará a consolidação das bases para a implementação do corredor de biodiversidade do Rio Araguaia. O público alvo do Araguaia Mata Viva são as propriedades já identificadas e diagnosticadas pelo Prolegal - Programa de Revisão, Regularização e Monitoramento das Áreas de Reserva Legal e de Preservação Permanente - que queiram aderir voluntariamente ao projeto.
Após a adesão, serão firmados Termos de Ajustes de Conduta celebrados com o Ibama e Ministério Público Federal, de forma a pactuar prazos e condições para a adequação ambiental, garantindo a segurança jurídica necessária aos investimentos que serão aplicados pelo projeto.
(Texto: Mirza Nóbrega - Ascom/Ibama-GO)

Minc nomeia novo Superintendente para o Mato Grosso

(Goiânia, 23/03/2009.) O Ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, nomeou o Analista Ambiental, Pedro Alberto Bignelli, por intermédio da Portaria nº. 94 de 19 de março de 2009 (publicada no DOU, nº. 54, de sexta-feira, 20 de março, Seção 2, página 41) para exercer o cargo em Comissão de Superintendente, código DAS 1014, do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - IBAMA, no Estado do Mato Grosso-MT. Pedro Alberto é servidor concursado deste órgão desde 2002, onde já foi chefe do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros e desde 2006 é responsável pela Divisão de Gestão e Proteção Ambiental na Superintendência de Goiás, onde tem coordenado as atividades operacionais, principalmente as de planejamento, fiscalização, vistoria e monitoramento, tanto em Goiás quanto na Amazônia Legal. Segundo o Superintendente do Ibama em Goiás, Ary Soares, o estado perderá um técnico de renomada experiência e competência, além de compromissado servidor. Mas estará contribuindo com a defesa e a proteção ambiental do vizinho estado do Mato Grosso. Agora, ações conjuntas entre os dois estados terão maior integração, como a extensão do Prolegal e especialmente a implementação do Projeto Araguaia, que visa à proteção e a sustentabilidade ambiental e econômica desse rio que une os dois estados. (Texto: Mirza Nóbrega - Ascom/IBAMA-GO)
Ao meu "irmão" Pedro (da família dos 'Alberto') meus apoio e torcida de sempre! Estou certo que Mato Grosso ganha um profissional competente, sério e dedicado.
Sucesso, sempre, 'Mano'!

sexta-feira, 3 de abril de 2009

Sobre o 3° Ano da Rebio das Perobas

(Do Blog do Marino)
"No dia 20 de março p.p., participei do evento comemorativo ao 3º ano de criação da Reserva Biológica das Perobas, que ocorreu no município de Tuneiras do Oeste, onde se localiza a sede da Rebio.
Além do chefe da Unidade de Conservação, Carlos De Giovanni, estiveram presentes o atual Superintendente do Ibama, José Álvaro Carneiro, o Assessor para Assuntos Comunitários da PUC, Francisco Carlos De Marchi e autoridades do município – prefeito e vereadores, representante da Força Verde/Polícia Militar e do Sindicato patronal rural daquela cidade. Mas, quem roubou mesmo a cena foram os estudantes que lotaram as dependências da Câmara Municipal. Participaram ativamente do evento que acabou tendo forte inclinação na educação ambiental.
Carlos De Giovanni apresentou o histórico da Rebio das Perobas e projetou o futuro com boas notícias, inclusive sobre o aporte que os municípios de Tuneiras do Oeste e Cianorte receberão a título de ICMS ecológico, assim que ultimados os trabalhos de regularização fundiária, cujo processo está em curso, sendo que o edital para a compensação ambiental de áreas de reserva legal já estava pronto, aguardando tão somente o sinal positivo de Brasília para a sua publicação. Além disso, apresentou em detalhes a “Operação biXo” contra o tráfico de animais silvestres e corte ilegal de palmito no interior da Rebio.
Não me contive e usando da palavra fiz um relato sobre o processo de criação da Rebio que se deu juntamente com a criação de mais 4 Unidades de Conservação Federais no Paraná. Um momento ímpar e significativo da vida dos paranaenses. O dado mais interessante que registrei foi o processo de negociação que se estabeleceu entre o Ibama, MMA, Comissão de Técnicos proponente da criação das UCs e a Comissão de Membros representantes da comunidade de Tuneiras do Oeste e que possibilitou uma melhor delimitação da área da Rebio e evitou conflitos no campo administrativo e jurídico. A Rebio das Perobas foi algo “querido” por todos os interessados.
José Álvaro Carneiro, Superintendente do Ibama/PR., fez referência ao 3º Aniversário da Rebio e apresentou aos presentes o recém lançado Programa Integrado de Combate ao Desmatamento da Floresta com Araucárias no Paraná. Esse programa tem a missão de impedir o avanço do desmatamento ilegal dos últimos remanescentes daquele ecossistema seriamente ameaçado de extinção. Para tanto, contará com a participação integrada do IBAMA, IAP, Força Verde e Polícia Federal.
Após seguiu-se um almoço de confraternização em que um dos pratos servidos era a base de palmito (pupunha, é claro)."
Marino Elígio Gonçalves.

ICMBio libera veículos de turismo por 30 dias no Parque do Iguaçu

(Do Blog de Jorge Luiz Pegoraro)
(Na foto, da esquerda, Jorge Pegoraro, Chefe do PNI, Paulo McDonald, Prefeito de Foz do Iguaçu, e Ricardo Soavinski, Diretor de Unidades de Proteção Integral do ICMBio)
O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade – ICMBio, órgão gestor do Parque Nacional do Iguaçu (PNI), decidiu prorrogar por 30 dias a entrada de veículos de turismo no interior da unidade. A partir desta quinta-feira, 2, eles poderão entrar pelo portão de serviço, um dos acessos para a visitação as Cataratas do Iguaçu. O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade – ICMBio, órgão gestor do Parque Nacional do Iguaçu, decidiu prorrogar por 30 dias a entrada de veículos de turismo no interior da Unidade. A partir desta quinta-feira, 2, eles poderão entrar pelo portão de serviço, um dos acessos para a visitação as Cataratas do Iguaçu. A decisão foi anunciada após uma reunião na Prefeitura de Foz do Iguaçu, reunindo o diretor de Ecossistemas do ICMbio, Ricardo Soavinski, o chefe do Parque, Jorge Pegoraro, o prefeito, Paulo Mac Donald Ghisi, o presidente do Iguassu Convention & Visitors Bureau, Enio Eidt, e o presidente do Comtur (Conselho Municipal de Turismo), Paulo Angeli. A medida só vale para o trânsito dos veículos durante o dia. Pela noite, o Hotel das Cataratas, principal usuário no horário noturno, deverá fazer o traslado dos hóspedes e funcionários no interior do Parque. A proibição do acesso de veículos de turismo no interior do Parque aconteceu com o atropelamento e morte de uma onça-pintada no quilômetro 27 da BR-469, na madrugada de sábado, 28 de março. Até agora o atropelador não foi identificado pelo instituto. Soavinski e Pegoraro informaram que a medida é válida até que o Comtur apresente em 30 dias um plano para diminuição dos automóveis de turismo que transitam diariamente no local, calculado em 200 diários. A medida de restrição de veículos, segundo Soavinski, está prevista no Plano de Manejo da Unidade e que um grande passo foi dado com a revitalização da área de Uso Público em 2000. Na época foi implantado o atual sistema de transporte, onde o visitante é levado por ônibus da entrada até a região das Cataratas. Já o transporte interno dos hóspedes está previsto no contrato com o novo concessionário do Hotel das Cataratas.

Brasil tem papel de destaque no Fórum Mundial da Água

Os resultados da participação brasileira no V Fórum Mundial da Água, realizado em Istambul, na Turquia, de 16 a 22 de março, foram apresentados nesta sexta-feira (3) pelo diretor da Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano do MMA, Júlio Kettelhut, no auditório do MMA, na 505 Norte. Kettelhut apresentou em Istambul os programas Aquífero Guarani e o Recursos Hídricos Transfronteiriços da América.
Representado pela secretária-executiva, Izabella Teixeira, o Brasil participou das mesas-redondas: "Água para Alimentação e Erradicação da Pobreza e Recursos Hídricos para Energia". Como resultado da primeira discussão ficou acertado entre os participantes que deve-se colocar a água como de alta prioridade para agricultura nas agendas locais e regionais. Foi recomendada a mobilização de fundos adequados; a solicitação de disponibilização de fundos para entidades internacionais e nacionais e o incentivo aos países para a alocação de mais recursos financeiros para a agricultura.
No encontro, líderes mundiais se comprometeram a implementar uma visão comum para o gerenciamento dos recursos hídricos de forma sustentável, como forma de garantir acesso à água de qualidade e condições sanitárias para todos. Se comprometeram também a adotar novas políticas, estratégias adaptadas e reformas institucionais a fim de direcionar recursos para adaptação de estratégias de gerenciamento de recursos hídricos com vistas às mudanças do clima. E ainda manter em mente palavras-chaves como elementos para o sucesso da estratégia, como solidariedade, segurança, adaptabilidade, diálogo e cooperação entre vizinhos em bacias transfronteiriças.
A delegação brasileira no encontro foi chefiada pela Secretaria-Executiva do Ministério do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, e contou com as participações do presidente da Agência Nacional de Água (ANA) e com o diretor do Departamento de Revitalização de Bacias Hidrográficas, da Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano, Júlio Kettelhut.
O Brasil foi representado por cerca de 100 participantes entre ministros de Estado, senadores, deputados federais, representantes de governos estaduais e municipais, e também por usuários de água como a indústria, por exemplo.
O Fórum Mundial das Água é coordenado pelo World Water Council, com sede na França e teve o Banco Mundial entre seus parceiros. O encontro internacional ocorre a cada três anos em países distintos. O encontro da Turquia teve a participação de 192 países e 26 mil inscritos. O tema do fórum deste ano foi: "Superando os Divisores da Água".
(Texto: Suelene Gusmão - ASCOM/MMA)

Monitoramento da Arara-Azul-de-Lear ajuda a salvar a espécie

Brasília (02/04/09) - A Arara-Azul-de-lear, uma das aves mais ameaçadas de extinção do planeta, começa alçar vôos a caminho do processo de recuperação da espécie. Desde 2001, analistas ambientais do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade/Centro Nacional de Pesquisa para a Conservação das Aves Silvestres (Cemave) pesquisam o habitat natural e acompanham o ciclo reprodutivo da Anodorhynchus leari, nome científico dado ao animal encontrado apenas em uma porção do semiárido baiano. Em menos de uma década, o número de indivíduos cresceu mais de três vezes. Embora cautelosos, os pesquisadores não escondem o entusiasmo com nascimento dos filhotes da temporada 2008-2009.
A época da reprodução, que começa em meados de setembro e segue até abril, vem sendo cuidadosamente monitorada por dois biólogos que atuam na Base de Pesquisas sobre a Arara-Azul-de-lear, em Jeremoabo, norte da Bahia. A expectativa não poderia ser melhor: os pesquisadores acreditam que de 100 a 150 recém nascidos se preparam para deixar os ninhos rumo ao primeiro vôo. Muito em breve, eles irão se juntar aos raros adultos da espécie, cuja sobrevivência depende do trabalho de preservação executado nos últimos anos. A Arara-Azul-de-lear nidifica unicamente nas cavidades naturais dos paredões de arenito localizados na região sul da Estação Ecológica Raso da Catarina, nos sítios reprodutivos conhecidos como Toca da Velha, no município de Canudos, e Serra Branca, no interior da própria unidade de conservação. Sessenta quilômetros separam as duas áreas, que também são usadas como dormitório pelas araras. De acordo com o Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção, a principal ameaça à essa ave é a captura para o comércio ilegal, além da redução da palmeira licuri, cujo coco é o mais importante item alimentar desses animais.
Além de ser tempo de reprodução, a chegada das chuvas é a melhor época para se estudar os hábitos da Anodorhynchus leari. Mais do que pesquisas sobre a biologia reprodutiva da espécie, os biólogos do Cemave realizam censos periódicos para contagem da população. No primeiro deles, em 2001, foram contabilizados 246 indivíduos. No último, feito em julho do ano passado, 960 araras viviam em Toca Velha e Serra Branca, um aumento de quase 50% em relação à contagem de 2006, que registrou 636 aves. Ainda em 2006, a quantidade de ninhos estimada nos únicos dois sítios reprodutivos foi de 63.
A análise do comportamento das araras é feita de longe, sem contato direto para não haver risco de prejudicar os reprodutores e seus filhotes. Os biólogos Kléber de Oliveira e Antônio Eduardo Barbosa são os responsáveis por acompanhar o ciclo reprodutivo 2008-2009. Semanalmente, durante três dias consecutivos, toda a movimentação de parte dos 77 ninhos mapeados por eles nos últimos meses é atentamente observada. De binóculos em punho e com a ajuda dos galhos das árvores mais altas e próximas aos paredões, a dupla estuda o vai e vem das aves que partem para as áreas de alimentação e a vigília cautelosa dos casais cujos rebentos se preparam para voar.
A rotina começa cedo, logo ao raiar do dia.“Iniciamos o monitoramento em dezembro com base nas observações dos ninhais cadastrados nos anos anteriores. Identificamos as cavidades nas quais a visitação e zelo das aves eram intensos, indicando a presença dos ovos, uma média de três por casal. Agora, esperamos com ansiedade a saída dos filhotes”, conta Kléber de Oliveira. Ao nascer do sol, as araras voam em busca do fruto da palmeira licuri, geralmente em duplas. “São aves monogâmicas, se relacionam com apenas um parceiro para o resto da vida. Quando adultos chegam a medir de 70 a 75 centímetros. Os casais em nidificação procuram alimentar-se o mais perto possível das cavidades que abrigam os filhotes. Trata-se de uma espécie muito arisca, principalmente durante esse período, que abandona o ninho ao menor sinal de perigo. Por isso, o nosso cuidado em observar sem sermos notados pelos bichos”, pondera o biólogo. Entre a postura do ovo e nascimento do filhote conta-se mais ou menos 87 dias. No ciclo de 2005-2006, cerca de 80 filhotes saíram nos ninhos. “O sucesso reprodutivo é indicado pelo número de aves que voaram, no máximo duas por ninho. Como é espécie endêmica da região do Raso da Catarina, sua distribuição é muitíssimo restrita, assim como a alta especificidade alimentar e a particularidade de seu habitat, no caso, os paredões para nidificação e dormitório. Mas, os sinais de recuperação desses animais são claros e trabalhamos para reduzir o status de ameaça, o que é importante e bem animador. Nosso trabalho começa a dar bons resultados”, avalia o analista ambiental.
(Texto: Márcia Neri - Fonte: ASCOM/ICMBio)

Decisões do G20 e o Meio Ambiente

(Do Blog do Marino)
"A reunião do G-20 (países que representam as 20 maiores economias mundiais), realizada em Londres, foi encerrada neste dia 02 p.p., com o anúncio de seu documento final que indica uma série de ações para combater os efeitos da atual crise econômica.
Os comentários são positivos, com destaque à escolha de um fórum maior de países (o G20) em lugar do G7 (composto pelos 7 países ricos mais a Rússia) para as discussões globais. Países como o Brasil, China, Índia e África do Sul comemoram. Há consenso de que as nações emergentes não podem ficar de fora das grandes decisões mundiais.
As ações anunciadas vão desde a injeção de recursos (US$-1,1 trilhão), através do FMI, Banco Mundial, Bird e Banco da Ásia ao financiamento do comércio internacional e ajuda a países pobres, passando pela redução de juros, controle das moedas, regulação e supervisão das instituições, instrumentos e mercados financeiros com padrão internacional (incluídas as agências de avaliação de risco), sanções a paraísos fiscais e, por fim, pela busca de desenvolvimento com sustentabilidade ambiental.
Sobre o último ponto, o documento afirma que os países buscarão fontes alternativas e tecnologias limpas e eficientes para a utilização dos recursos naturais e que irão enfrentar o problema da mudança do clima com base em responsabilidades comuns e diferenciadas (isso indica que países ricos deverão arcar com mais recursos e aponta para um possível acordo na Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática a ser realizada em dezembro deste ano em Copenhague).
Outra medida foi a concordância ao plano para salvar as florestas tropicais proposto pelo príncipe Charles, em que países ricos destinariam recursos aos países em desenvolvimento para combater e evitar o desmatamento e, com isso, reduzir o ritmo da mudança do clima. Além disso, os países promoveriam ações globais para mapeamento dos responsáveis pelos desmatamentos.
Não há dúvidas que a reunião do G-20 inaugurou uma nova fase nas relações internacionais. As crises mundiais - econômica e climática - forçam novas atitudes. Não bastam ações voltadas somente para reequilibrar a economia mundial. Ao mesmo tempo se deve por em prática aquelas que visam a sustentabilidade ambiental. Esses são os desafios que devem ser enfrentados."
Marino Elígio Gonçalves

Essa merece palmas..

(Do Blog Paraná, Brasil!)
Brazil: Free Software's Biggest and Best Friend
John Maier for The New York Times
"Saiu no caderno "Tecnologia" do New York Times o esforço do Governo Federal Brasileiro em popularizar os computadores. O povo Brasileiro merece isso. A reportagem menciona a "briga" (no bom sentido) entre o Governo Brasileiro e a Microsoft pra que possam chegar num consenso sobre tipos e preços do sistema operacional a ser rodado nesta "máquina popular" - Seria difícil uma máquina dessas com um Windows Vista ou um Office instalado, indo pra bem mais de R$500.... . A matéria menciona, ainda, que essa máquina seria vendida a mais ou menos R$1.400,00... A única ressalva seria... por que R$1.400,00 se aqui pelo nortão paranaense as empresas fazem promoções por R$900, até R$800....? Seriam gastos com o sistema operacional, ou talvez de procedência diferente..? O que importa é o Governo conseguir diminuir ao máximo o preço dos computadores pessoais, para que toda escola desse país tenha computadores e pessoas aptas a usá-los. Essa iniciativa merece publicidade e aplauso. Espero que a "revolução digital" atinja todos os Brasileiros, o mais rápido possível."

quinta-feira, 2 de abril de 2009

Operação biXo - Monitoramento

Monitoramento de pontos específicos da Rebio das Perobas, na busca de possíveis trilhas e armadilhas utilizadas por caçadores.
video
Operação biXo - Etapa 1: ICMBio, Polícia Militar, Polícia Militar Rodoviária, IBAMA, Polícia Militar Ambiental

Coordenação Regional Sul do ICMBio

Florianópolis (31/03/09) - O presidente do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Rômulo Mello, acaba de anunciar oficialmente, durante entrevista coletiva à imprensa de Santa Catarina, na manhã desta terça-feira (31), na Estação Ecológica Carijós, a escolha da cidade de Florianópolis como sede da Coordenação Regional (CR) Sul do Instituto. “Estamos montando uma estrutura enxuta e eficiente para administrar os mais de 2 milhões de hectares de unidades de conservação nos três estados da Região Sul”, disse o presidente.
Antes, Rômulo concedeu entrevista ao Bom Dia Santa Catarina, da RBS (Globo) e SC no Ar (Record). Ao meio-dia, falou sobre a CR Sul para o SBT. À tarde, ele participa, em Blumenau, no interior do Estado, do lançamento do plano de manejo do Parque Nacional da Serra do Itajaí.
A Coordenação Regional Sul do ICMBio vai ficar responsável pela articulação da gestão de todas as 39 unidades de conservação existentes nos três estados do Sul do País (Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul). O coordenador será o analista ambiental Ricardo Castelli, que vinha ocupando o cargo de coordenador do Bioma Costeiro Marinho do Instituto, em Brasília.
A Coordenação terá sob a sua jurisdição importantes unidades de conservação da região, como o Parque Nacional de Foz do Iguaçu (PR), que com suas cataratas é o mais visitado do Brasil; o Parque Nacional da Serra do Itajaí (SC), maior núcleo de Mata Atlântica em área contínua do País; e o Parque Nacional Aparados da Serra (RS), um dos seis parques do País incluídos no programa de ecoturismo do governo federal.
COLETIVA – Ainda na coletiva, Rômulo anunciou medidas de estruturação do Parque Nacional da Serra do Itajaí, como as três primeiras indenizações de propriedades no interior do parque, que vão custar R$ 1,5 milhões; a conclusão do plano de manejo, que prevê o uso turístico da unidade; e a realização de duas pesquisas importantes para a gestão ambiental na Serra do Itajaí (predadores e avifauna).
Ele falou também sobre como anda o processo de instalação da primeira reserva de fauna do Brasil, que vai ficar na Baía da Babitonga, em São Francisco do Sul, no litoral norte de Santa Catarina. Segundo Rômulo, agora em abril, o ICMBio entrega à Justiça os estudos socioeconômicos que embasam a criação da unidade. “Com isso, o processo, que está subjudice, deve ser destravado e convocadas novas audiências públicas”, afirmou o presidente.
(Fonte: Ascom/ICMBio)

Entrada de Veículos no PNI

Reportagem exibida no ParanáTV 2a. Edição, Rede Paranaense (RPC) em 01/04/2009.