quarta-feira, 27 de junho de 2012

Uma Ilha no Noroeste


http://visaodarebiodasperobas.blogspot.com.br/2012/06/uma-ilha-no-noroeste.html
Documentário realizado pelos profissionais Éder Alfredo e Tiago Fantim em conclusão de curso, lançado durante a Programação 5em5 que comemorou os cinco anos de existência da Rebio das Perobas, em 2011.

domingo, 24 de junho de 2012

Pedra Fundamental

O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, através da Reserva Biológica das Perobas, tem a honra de convidar a todos para o lançamento da pedra fundamental do Centro Ambiental de Tuneiras do Oeste, Paraná.
É apenas o início, simbólico. Porém, representativo. Demonstração da destinação de terreno específico para a contrução do Centro e de que juntos, Município de Tuneiras do Oeste, Estado do Paraná e Governo Federal, uniremos esforços para que sua construção seja uma realidade próxima.
Dia: 29 de junho de 2012
Horário: À partir das 10:00h


sábado, 23 de junho de 2012

Onda Ambiental N. 62


"Onda Ambiental" de 23 de junho de 2012
(Voluntários na Rebio)
O programa vai ao ar todos os sábados 9 da manhã,
com horários alternativos terças 5H e quintas 9H.
RUC FM 94,3

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Num Deu Não...

Oh meu santinho!
O sonho de liberdade duas vezes num deu não.
Se não deixasse fazer um na quarta passada, se o rapaz não fechasse o gol, na quarta passada, ou se, pelo menos, mais um fosse feito hoje!
Se a platinada não fosse tão torcedora... Sei lá...
Libertadores, quem sabe, fica prô ano.. que vem.. ou prô outro...
Parabéns Corintians, corintianos! A César, enfim..
Parabéns Cleber Machado! Você como corintiano é péssimo narrador. Quem sabe como presidente ou assessor de comunicação... seria mais sincero, finalístico... Sei lá...


terça-feira, 19 de junho de 2012

De Olho na Reserva

A Reserva Biológica (Rebio) das Perobas é uma Unidade Federal de Conservação da Natureza, com gestão do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).
Sua Equipe vem esclarecer que a Rebio não possui Orkut, Facebook, Twitter ou qualquer outro endereço das denominadas "redes sociais".
Temos uma coluna ("De Olho na Reserva") no jornal "O Tuneirense, de Tuneiras do Oeste, Estado do Paraná.
Nosso Plano de Manejo, aprovado pela Portaria ICMBio N. 39 de março de 2012, está disponível a todos.
As páginas da "grande rede" que possuem a autenticidade da Rebio das Perobas e, portanto, oficiais, são:
- Página do Conselho Consultivo da Rebio das Perobas (CORPE): http://conselhoperobas.blogspot.com.br/;
- Página onde os Boletins da Rebio são postados: http://boletinsdarebio.blogspot.com.br/;
- Página onde são postados os programas de rádio da Rebio: http://aquarelaambiental.blogspot.com.br/; e
- Páginas onde são postados videos sobre a Rebio: http://visaodarebiodasperobas.blogspot.com.br/.
Esclarecemos que as palavras "reserva", "biológica", "rebio", "perobas", não são registradas e, portanto, podem ser utilizadas livremente.
Entretanto, alertamos também que qualquer afirmação e/ou informação incorreta, falsa, insinuosa, caluniosa, pejorativa ou injuriosa em relação a Rebio das Perobas, ao ICMBio e/ou aos seus servidores federais será respondida em fórum próprio na forma da Lei.
Qualquer dúvida, informação ou sugestão que queiram sobre nossa Unidade, por favor, acessem qualquer dos endereços citados, enviem e-mail para rebioperobas@icmbio.gov.br ou entrem em contato pessoalmente: (44) 3653-1048.

domingo, 17 de junho de 2012

Rebio no Programa Agrocultura

Programa Agrocultura - TV Cesumar
(Rebio das Perobas)
Maringá, outubro de 2011

Onda Ambiental N. 61



"Onda Ambiental" de 16 de junho de 2012
Entrevista: Márcio Leite de Oliveira - Pesquisador - USP/Unesp
O programa vai ao ar todos os sábados 9 da manhã,
com horários alternativos terças 5H e quintas 9H.
RUC FM 94,3

sábado, 16 de junho de 2012

Educação Ambiental na Escola


"Tratar sobre meio ambiente e sustentabilidade na escola deve ir muito além de ensinar as crianças sobre economizar água, sobre os animais e sobre a importância das florestas. Primeiramente é um grande erro afirmar que o futuro do Planeta Terra e do nosso meio ambiente, sadio e equilibrado, depende das crianças, pois serão elas que aprenderão a fazer certo no futuro tudo aquilo que fizemos de errado no passado e que continuamos a fazer no presente. Isso é comodismo por cada um de nós não se esforçar um pouquinho só em mudar pequenos hábitos, covardia por colocar nas costas de nossos filhos o dever de arrumar o que destruímos e finalmente, burrice, pois se não mudarmos agora não haverá futuro para criança nenhuma consertar.
A escola é o espaço onde jovens humanos irão aprender os primeiros conceitos sobre o mundo em que vivem e onde irão atuar como cidadãos plenos. Porém, que mundo as crianças e adolescentes de hoje irão se deparar em um futuro próximo?
Inevitavelmente uma mudança deverá ocorrer para que nós, 7 bilhões de Homo sapiens juntamente com os novos milhões que estão por vir, possamos viver de forma confortável, com saúde, bem estar e felizes. Obviamente a nossa qualidade de vida e felicidade está atrelada invariavelmente à saúde da Terra, então obviamente deveremos repensar nossos meios de produção de forma que garantam alimento suficiente para todos sem esgotar os recursos naturais, a forma de transporte que não polua e que não abarrote as cidades, fontes de energias renováveis limpas, de baixo impacto e baratas, produção industrial socialmente responsável, um comércio justo, um padrão de consumo sustentável e uma economia que tenha como meta um crescimento qualitativo e não quantitativo.
Todos esses setores estão à beira de uma crise, pois se mostraram tão insustentáveis e inviáveis que agora se encontram diante de uma necessária mudança. A mesma crise não passa longe das salas de aula. Professores possuem a sensação desesperadora de perda da autoridade e respeito. Alunos – já nascidos na era da informação rápida, fácil e superficial oferecida pela internet – pouco encontram de interessante no quadro negro com suas longas horas de conteúdo em giz-de-cera, atados em suas cadeiras. Finalmente, temos alguns pais que, seja pela dura rotina de trabalho, em que marido e mulher precisam trabalhar, ou seja pelo simples comodismo, esqueceram que “educação começa em casa” e deixaram o caráter e a disciplina de suas crianças ao vento e sob os cuidados dos professores que nunca tiveram a obrigação de “educar” os filhos dos outros, mas sim de “ensinar”. O elo professor-pai-aluno se rompeu e urgentemente precisa ser restaurado.
Se tudo deverá ser repensado para que tenhamos uma sociedade sustentável e renovada, então a escola e o método de ensino que temos hoje também deverão ser repensados e renovados. Tanto escolas públicas, quanto particulares, precisarão rever que tipo cidadão estarão formando. Brilhantes cientistas, grandes líderes e admiráveis artistas, um dia foram crianças distraídas, adolescentes encrenqueiros e jovens incompreendidos, alunos que poderiam passar despercebidos por mim e por você, mas que mudaram o curso da história.
Em uma classe, por mais difícil que ela seja, enquanto houver um aluno com potencial de fazer a diferença, ainda valerá a pena para um professor acordar cedo e cumprir a sua jornada. Em uma escola, enquanto houver um professor esperançoso e motivado, que acredite em sua missão de formar pessoas que poderão mudar o mundo, ainda valerá a pena acreditar em um futuro mais sustentável".
Erick Caldas Xavier
Secretário Executivo do CORIPA, Secretário de Meio Ambiente e Turismo de S. J. do Patrocínio, Conselheiro do Conselho Estadual de Recursos Hídricos e Vice-presidente do Conselho Regional de Biologia do Paraná

quinta-feira, 14 de junho de 2012

Voluntários no "Onda"

video

A Reserva Biológica das Perobas e a RUC FM buscam estudantes de jornalismo ou comunicação do CESUMAR para trabalhar como voluntário na produção do programa "Onda Ambiental".
Interessados entrar em contato pelos telefones: (44) 3031-6367 ou 3653-1048 ou e-mail: rebioperobas@gmail.com.

Onda Ambiental

video
 
O programa vai ao ar todos os sábados 9 da manhã,
com horários alternativos terças 5H e quintas 9H
pela Rádio Universitária Cesumar - RUC FM 94,3.
 
Todos os programas podem ser acessados em:

Morcegos urbanos de Maringá

video

Onda Ambiental N. 60

"Onda Ambiental" de 9 de junho de 2012
O programa vai ao ar todos os sábados 9 da manhã,
com horários alternativos terças 5H e quintas 9H.

quinta-feira, 7 de junho de 2012

O Fortalecimento Institucional dos Municípios


Foedus palavra em latim que deu origem à palavra “Federação”. Significa "aliança" ou "pacto" de estados e municípios autônomos que “constituem” um Estado Federal, normatizada, portanto, por uma “Constituição”.
O nome “Estados Unidos da América”, traduz literalmente estados autônomos que, num movimento centrípeto, se uniram em um único Estado Soberano sem prejuízo de sua autonomia. Diferentemente ocorreu na nossa República Federativa do Brasil, onde uma força centrífuga descentralizou o governo dispersando o poder e dividindo competências.
Porém, esta descentralização de poder ainda não está completa. Os Estados, presos a uma constituição das mais completas e detalhadas do mundo, pouco podem fazer para atender suas particularidades regionais, econômicas e culturais, diferentemente da “América” onde até a pena de morte pode ser legal em um estado enquanto no outro não. Os municípios, pobres coitados, são os maiores reféns desta centralização. Prefeitos, interessados no desenvolvimento de suas cidades, precisam ir ao planalto central bater de porta em porta, de gabinete em gabinete, pedindo dinheiro de emendas e convênios. A dependência financeira municipal cria um famigerado toma lá da cá cuja conta será cobrada em votos nas eleições seguintes. Então está a autonomia dos entes desta federação?
Em 08 de dezembro de 2011, enquanto todos estavam a acompanhar uma posição definitiva a respeito do Código Florestal – que para bem ou para mal dará certa autonomia aos estados na regulamentação de suas florestas – entrava em vigor a Lei Complementar No 140. Tão importante quanto o citado código, esta nova lei influenciará diretamente a gestão ambiental em nossos municípios. Ações relativas à proteção do meio ambiente, ao combate à poluição em qualquer de suas formas e à preservação da fauna e da flora que antes cabiam com clareza somente aos Estados e União, incluindo as competências para emitir licenças ambientais e gerir o uso da fauna e da flora silvestre passam agora a ser desempenhadas pelos municípios sem necessidade de pedir “benção” (via convênios e termos de parceria) ao Estado e União. O que antes era um processo centralizado apenas ao IBAMA e ao IAP (aqui no estado do Paraná) agora da autonomia aos municípios para decidir o que pode e o que não pode ser feito no âmbito da gestão ambiental.
O município que sair na frente com seu próprio licenciamento ambiental terá um atrativo diferencial à empresários que desejam realizar um empreendimento ou à produtores rurais interessados projetos agropecuários, pois poderão resolver seus problemas diretamente no município onde os impactos ambientais ocorrerão. As taxas geradas no processo passam a serem receitas do município, as quais poderão ser revertidas em ações locais para a melhoria do meio ambiente.
A fiscalização passa a ser desempenhada por quem licencia e por quem chega primeiro ao local do crime ou infração ambiental. O órgão municipal competente terá poder de fiscalizar os crimes e infrações que causam mal aos seus munícipes e ao meio onde vivem gerando multas que passam a serem destinadas ao fundo municipal de meio ambiente e convertidas em ações em beneficio da população.
Teremos uma desburocratização do sistema de licenciamento ambiental, onde a espera por uma solução de impasses ocorrerá mais rapidamente. Seja para receber um sim ou um não, com a nova lei a resposta com certeza será muito mais rápida. Aqueles de visão de futuro poderão identificar uma grande oportunidade de negócio investir em municípios que possuam um prático, eficiente e desburocratizado processo de licenciamento ambiental.
O grande desafio, é que os municípios precisarão contar com um alto grau de conhecimento técnico e de estruturação, além de treinamento para fiscalização de atividades potencialmente nocivas ao meio ambiente. Caberá às prefeituras também a tarefa de autorizar ou não a derrubada de florestas e a fiscalização da atividade madeireira e conhecendo a nossa realidade municipal com as baixos salários dos servidores somado ao hábito de alguns prefeitos cederem à pressões tendo em vista apoios políticos e financeiros locais, esta lei pode se tornar um verdadeiro desastre ambiental.
Uma das formas de evitar ou minimizar este desastre ambiental prenunciado são os consórcios de municípios. O noroeste do Paraná sai novamente na vanguarda da temática ambiental, pois possui três consórcios que possuem como foco a conservação ambiental. Os consórcios CORIPA, CIBAX e COMAFEN podem dar suporte tanto ao licenciamento ambiental quanto à fiscalização diminuindo ainda o efeito político e a pressão sobre os prefeitos e secretários municipais.
Enfim, se teremos um avanço ou retrocesso na gestão ambiental de nosso país só o futuro dirá. Fica apenas a certeza de que institucionalmente nossos municípios saem mais fortes com esta Lei e junto deles a democracia e a nossa federação.
Erick Caldas Xavier
Secretário Executivo do CORIPA, Secretário de Meio Ambiente e Turismo de S. J. do Patrocínio, Conselheiro do Conselho Estadual de Recursos Hídricos e Vice-presidente do Conselho Regional de Biologia do Paraná